ADLIN PLÁSTICOS LTDA

Rua Joaquim Francisco de Paula, 3600 - Chico de Paulo - Caixa Postal: 430 - 89254-848 - Jaraguá do Sul - SC - Brasil

Visite Nossa Loja Virtual

Kit Quik Check – fFN

Características:

O QuikCheck fFN é um teste qualitativo para detecção de fibronectina fetal nas secreções cervico-vaginais.
Kit composto por: 1 Aplicador estéril, 1 Tira de Teste, 1 Tubo com Solução Tampão.

Indicação: O teste QuikCheck fFN da Hologic destina-se a ser utilizado para a detecção qualitativa da fibronectina fetal nas secreções cervico-vaginais. A presença de fibronectina fetal nas secreções cervico-vaginais entre a 22º semana, 0 dia e 34º semana, 6 dias de gestação está associada a um risco elevado de parto pré-termo.

 

Resumo e Explicação do Teste:

O parto pré-termo, definido pelo American College of Obstetricians and Gynecologists como o parto que ocorre antes da 37º semana de gestação, é responsável pela maior parte da morbidade e mortalidade perinatais não cromossômicas (1 – 4). Os sintomas de risco de parto pré-termo incluem contrações uterinas, alterações do corrimento vaginal, hemorragias vaginais, dores nas costas, desconforto abdominal, pressão pélvica, e cãibras. As modalidades de diagnóstico para identificação de risco do parto pré-termo incluem a monitorização da atividade uterina e a realização de um exame cervical digital que permite fazer uma estimativa das dimensões cervicais.

Demonstrou-se que estes métodos eram limitados, uma vez que a dilatação cervical mínima (< 3 centímetros) e a atividade uterina ocorrem normalmente e não constituem necessariamente um diagnóstico de risco de parto pré-termo (5, 11, 13). Embora tenham sido avaliados vários marcadores bioquímicos de soro, de forma geral nenhum foi aceito para uso clínico prático (6, 7, 20).

A fibronectina fetal (fFN), uma isoforma da fibronectina é uma glicoproteína adesiva complexa com um peso molecular de cerca de 500.000 Daltons (8, 9). Matsuura e colaboradores descreveram um anticorpo monoclonal denominado FDC-6, que reconhece especificamente III-CS, a região que define a isoforma fetal da fibronectina (8, 9). Os estudos imuno-histoquímicos de placentas demonstraram que a fFN está confinada à matriz extracelular da região que define a junção das unidades materna e
fetal no interior do útero (5, 10).

A fibronectina fetal pode ser detectada nas secreções cervico-vaginais das mulheres ao longo da gravidez utilizando um imunoensaio baseado em anticorpos monoclonais. A fibronectina fetal é elevada nas secreções cervico-vaginais durante as primeiras 24 semanas de gravidez, mas diminui entre a 24º e 34º semana nas gravidezes normais. Desconhece-se qual o significado da sua presença na vagina durante as primeiras 24 semanas de gravidez. No entanto, pode simplesmente ser um reflexo do crescimento normal da população de trofoblastos extravilosos e da placenta. A detecção de fFN nas secreções cervico-vaginais entre a 24º e a 34º semana de gestação completa é relatada como estando associada ao parto pré-termo nas mulheres grávidas sintomáticas (5,
11-15) e assintomáticas (16-19).

 

Princípio da Análise:

O QuikCheck fFN é um ensaio por imuno-ouro de fase sólida. As amostras recolhidas no saco posterior são colocadas num tampão de extração. Uma tira de teste com anticorpo imobilizado de fibronectina anti-fetal monoclonal de rato, fibronectina humana e conjugado de anticorpo-ouro anti-fibronectina policlonal de cabra. O tampão de extração migra para a tira de teste por ação de drenagem, o conjugado anticorpo policlonal-ouro coloidal volta a ficar suspenso e migra com o tampão de
extração. Se houver fibronectina fetal na amostra, esta ligar-se-á ao conjugado de ouro coloidal de fibronectina anti-humana. Este complexo migra por ação capilar através da membrana que contém um anticorpo monoclonal imobilizado específico da fibronectina fetal. O complexo fibronectina-anti-fibronectina-ouro liga-se então ao anticorpo de fibronectina anti-fetal imobilizado, produzindo uma linha visível. Se não houver fibronectina fetal na amostra, não se dá qualquer ligação do anticorpo de fibronectina anti-fetal imobilizado. O anticorpo policlonal de fibronectina anti-humanaouro não ligado residual migra ainda mais através da membrana e liga-se à fibronectina plasmática imobilizada, proporcionando assim um controle do ensaio. Uma amostra positiva resultará em duas linhas visíveis, uma amostra negativa dará origem a uma linha visível.

 

PRECAUÇÕES E AVISOS:

1. Apenas para utilização em diagnóstico in vitro.

2. Leia o folheto de instruções completo antes de executar este teste e siga cuidadosamente as instruções. A modificação do protocolo do ensaio delineado neste folheto pode dar origem a resultados errôneos.

3. Não misture materiais de lotes diferentes.

4. Não utilizar se a integridade do pacote do aplicador estiver comprometida ou se o tubo do tampão de extração apresentar fuga.

5. Nenhum componentes de nenhum outro fFN Kits de Teste podem ser utilizados com o QuikCheck.

6. Não utilize se a integridade da embalagem do aplicador estiver comprometida ou se a tampão de extração do tubo tiver vazado.

7. Não utilize os materiais após a data de validade ter expirado.

8. As amostras de origem humana devem ser consideradas potencialmente infecciosas. Tenha as devidas precauções quando da recolha, manuseamento, armazenamento e eliminação da amostra e conteúdo do kit usado. Elimine os
materiais usados utilizando um recipiente próprio para esse efeito.

9. O tampão de extração contém 0,02% azida de sódio que pode reagir com as canalizações de chumbo ou de cobre formando azidas metálicas potencialmente explosivas. Quando eliminar este reagente no esgoto, lave sempre com grandes quantidades de água de modo a evitar a formação de azidas.

10. Manuseie os materiais com cuidado: não dobre nem comprima os materiais.

11. O teste QuikCheck fFN deve ser efetuado nos 15 minutos que se seguem à colheita das amostras. As amostras não podem ser armazenadas para serem testadas mais tarde.

12. Deve-se ter especial cuidado para não contaminar o fluido cervico-vaginal com agentes tópicos como lubrificantes, sabão, desinfetantes ou cremes (por ex. lubrificante de Geléia K-Y®, desinfetante Betadine®, creme Monistal®, hexaclorofeno). Estas substâncias podem interferir com o processo de recolha de amostras e/ou com a reação anticorpo/antígeno do teste QuikCheck fFN.

13. O tubo do tampão de extração deve ser mantido numa posição vertical durante o procedimento de ensaio.

 

ARMAZENAMENTO E ESTABILIDADE:

Todos os componentes se mantêm estáveis entre 2° e 25° C e podem ser utilizados até as datas de validade impressas nas etiquetas. Não congelar.

 

REAGENTES E MATERIAIS FORNECIDOS:

1. Aplicador esterilizado: um aplicador esterilizado com a ponta de poliéster num eixo de plástico.

2. Tira de Teste: membranas de anticorpo imobilizado de fibronectina anti-fetal monoclonal de rato, fibronectina humana e conjugado de anticorpo-ouro antifibronectina policlonal de cabra.

3. Tubo com tampão de extração: um tubo de polipropileno contendo 1mL de tampão de extração.

 

MATERIAIS NECESSÁRIOS MAS NÃO FORNECIDOS:

1. Tabuleiro para tubos de teste para o tubo do tampão de extração.

2. Cronômetro.

 

COLETA E PREPARAÇÃO DAS AMOSTRAS

Cada embalagem contém um aplicador com ponta de poliéster esterilizado para recolha de amostras.

Este é o único aplicador aceitável para utilizar neste ensaio. Os materiais dos outros aplicadores interferem neste ensaio.

As secreções cervicovaginais são obtidas a partir do saco posterior da vagina. A coleta da amostra deve ser feita de forma delicada. Uma coleta demasiado vigorosa ou forçada habitual nas culturas microbiológicas não é necessária.

Durante um exame com especulo, antes de qualquer exame ou manipulação do colo uterino ou trato vaginal, rode ligeiramente a ponta do aplicador pelo saco posterior da vagina durante cerca de 10 segundos de modo a absorver as secreções cervico-vaginais.

Tentativas posteriores para embeber a ponta posterior do aplicador podem invalidar o teste.

Retire o aplicador e efetue imediatamente o teste conforme indicado abaixo.

As amostras não podem ser armazenadas para serem testadas mais tarde.

 

PROCEDIMENTO DO TESTE:

Antes de coletar a amostra da paciente, retire o tubo que contém o tampão de extração da embalagem e tire cuidadosamente a tampa.
Conforme as instruções dadas acima, colete a amostra da paciente, com o aplicado estéril com ponta de poliéster fornecido. Retire o aplicador e insira a ponta no tubo que contém o tampão de extração e misture vigorosamente durante 10 a 15 segundos.
Retire do aplicador todo o líquido que for possível rodando a ponta contra a parte de dentro do tubo. Elimine o aplicador de acordo com as normas aplicáveis ao manuseamento de materiais potencialmente perigosos.
Retire a tira de teste da película de alumínio certificando-se de que o manuseio seja somente na parte etiquetada da tira de teste. Insira a extremidade inferior da tira de teste (área a imergir indicada pelas setas) no tubo que contém o tampão de extração. Não imerse a tira de teste para além da área indicada. Não volte a tapar o tubo durante a incubação da tira de teste.
Deixe a tira de teste ficar no tampão de extração durante 10 minutos. Retire a tira de teste e leia o resultado.
Elimine a tira de teste usada, o tubo do tampão de extração e o tampão de extração de acordo com as normas aplicáveis ao manuseamento de materiais potencialmente perigosos.

 

INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS:

O QuikCheck fFN é um teste qualitativo. Um resultado negativo indicando a ausência de fibronectina fetal aparece na forma de uma linha. Um resultado positivo indicando a presença de fibronectina fetal aparece na forma de duas linhas. A aparência das linhas pode variar desde muito claras até muito escuras. Se não aparecerem quaisquer linhas ou se a linha de controle não aparecer, o teste terá que ser repetido.

 

LIMITAÇÕES DO TESTE:

1. Este ensaio só pode ser utilizado para detecção qualitativa de fibronectina fetal nas secreções cervico-vaginais.

2. Os resultados dos testes devem ser sempre utilizados juntamente com outros dados clínicos e laboratoriais para gestão de doentes.

3. As amostras devem ser obtidas antes do exame digital ou da manipulação do colo uterino. As manipulações do colo uterino podem dar origem a resultados falsos positivos.

4. De modo a eliminar a possibilidade de resultados falsos positivos, as amostras não devem ser coletadas se a paciente tiver tido relações sexuais nas últimas 24 horas.

5. O teste não deve ser efetuado nas pacientes em que se suspeita de descolamento da placenta, ou em casos em que este esteja conhecido, em pacientes com placenta prévia ou com hemoglobina vaginal moderada ou forte.

 

VALORES ESPERADOS:

Nas mulheres sintomáticas, níveis elevados (≥ 0,050 µg/mL) (1 x 10-7 mmol/L) de fFN entre 24 semanas, 0 dias e 34 semanas, 6 dias indicam risco aumentado de parto em ≤ 7 ou ≤ 14 dias a partir da coleta da amostra. Nas mulheres assintomáticas, níveis
elevados de fFN entre 22 semanas, 0 dias e 30 semanas, 6 dias indicam um risco aumentado de parto em ≤ 34 semanas, 6 dias de gestação. Foi estabelecido um cutoff de 0,050 µg/mL fFN num estudo multicêntrico conduzido para avaliar a associação
entre a expressão da fibronectina fetal durante a gravidez e o parto pré-termo (5). A calibração do QuikCheck fFN é detectável até um padrão de fibronectina fetal humana primária que é purificado por afinidade utilizando anticorpo FDC-6 de fibronectina fetal anti-humana monoclonal (8,09) e quantificando espectrofotometricamente.

 

CARACTERÍSTICAS DO DESEMPENHO:

Estudos Clínicos Publicados

· Garcia, ALA, ET AL. Utilidad clinica de La expresión de fibronectina fetal (fFN) em secreción cervicovaginal (SCV). Ginecol Obst Mex 2002:70:379. A presença de fFN antes da 34º semana de gravidez pode indicar parto pré-termo com um
valor de previsão de sensibilidade, especificidade e positivo e um valor de previsão negativo de 75%, 41%, 82% e 95%, respectivamente, com um risco relativo de 8, 37 numa população sintomática.
· Pastore, LM, ET AL. Association between bacterial vaginosis and fetal fibronectina t 24-29 weeks’ gestation. Obstet Gynecol 1999:93(1):117. A fibronectina fetal está positivamente associada à vaginose bacteriana em mulheres fumantes.
· Celoman, Mathew AG, ET AL. Fetal fibronectin detection in pretern labor: evaluation of a prototype bedside dipstick technique and cervical assessment. Am J Obstet Gynecol 1998:179(6):1553. A detecção de fibronectina fetal previu o parto dentro de 10 dias com valores de previsão de sensibilidade, especificidade e positivos e valores de previsão negativos de 65%, 85%, 41% e 94%, respectivamente.

 

Desempenho laboratorial:

Precisão no mesmo ciclo (testes efetuados em duplicado, repetido 6 vezes)

tabela

Precisão entre ciclos (três lotes de tiras de teste)

Testes de 12 amostras positivas em duplicado em três lotes de tiras de teste fFN (40 testes por lote) indicam 100% de concordância entre os lotes.

Substâncias Interferentes:

Deve-se ter cuidado para não contaminar o aplicador ou as secreções cervico-vaginais com lubrificantes, sabões, desinfetantes ou cremes. Os lubrificantes ou os cremes podem interferir fisicamente na absorção da amostra pelo aplicador. Os sabões ou
desinfetantes podem interferir na reação anticorpo-antígeno.

Foram testadas substâncias potencialmente interferentes a concentrações que podem ser razoavelmente encontradas nas secreções cervico-vaginais. As substâncias que se seguem não interferiram no ensaio quando testadas nos níveis indicados.

(COLOCAR TABELA COM MEDICAMENTOS: AMPICILINA…)

 

RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS:

P: A linha de teste é pouco visível. O resultado é positivo ou negativo?
R: Se a linha de teste for clara mas visível, o resultado é positivo.

P: A linha de controle é pouco visível. O teste é válido?
R: Sim. Se a linha de controle for clara mas visível, o teste é válido.

P: As linhas do teste e de controle têm intensidade diferentes. O teste é válido?
R: Sim. Independentemente da intensidade relativa, se as linhas de teste e de controle
estiverem visíveis, o teste é válido.

P: A linha de controle não está visível. O teste é válido?
R: Não. Se a linha de controle não estiver visível, o teste não é válido. Repita o teste.

P: A linha de controle e/ou linha de teste está incompleta. O teste é válido?

R: Não. Se a linha de controle e/ou a linha de teste estiverem incompletas, o teste não
é válido. Repita o teste.

P: A amostra continha sangue. Posso utilizar o resultado?

R: Se a hemorragia vaginal for considerada sem importância do ponto de vista clínico, a amostra pode ser utilizada. O teste não deve ser efetuado nas pacientes em que se suspeita do descolamento da placenta ou em que este é conhecido, nas pacientes com placenta prévia ou com hemorragia vaginal moderada ou forte. Os estudos clínicos demonstram que uma hemorragia vaginal “sem importância”, habitualmente associada ao parto, não interfere com a interpretação clínica do resultado do QuikCheck fFN. Para as pacientes com hemorragia vaginal considerada “moderada” ou “forte”, o resultado do teste pode ser falso negativo devido a presença de pequenas quantidades de fibronectina fetal no sangue materno.


  • Facebook
  • Twitter
  • LinkedIn
  • Google Plus
Kit Quik Check – fFN
TOPO